quarta-feira, 29 de abril de 2009

Sonho bizarro

Nada grandioso demais, ou terror demais... no mínimo, diferente!
Escrevo desde já antes que eu me esqueça...
Sonhei que tava em algum lugar que lembrava bastante o Japão, não sei porque... talvez porque eu estava numa casa feita de madeira, meio que tipicamente japonesa, e... eu não consigo mais lembrar agora, mas acho que era casa de alguém ou um restaurante bem no meio do rio ou mar.
Daí, acho que começou a aumentar a maré, e foi entrando água na casa, que de uma certa forma era meio aberto.
De repente, apareceu um filhote de girafa tentando subir num colchonete que tava flutuando na água, e logo em seguida a mãe aparece nadando atrás do filhote. Acho que a mãe tava levando o bebê nas costas com o colchonete e deve ter escapado uma hora.
A essa altura do campeonato, eu já estava simplesmente imersa na água, porque já tinha alagado e engolido a casa que estávamos, só que eu estava meio que flutuando na água, sem fazer esforço nenhum pra estar do peito pra cima fora d'água.
O filhote veio em minha direção e eu quis pegar nele, mas fiquei com receio de serem bravos ou quererem me afogar pelo desespero do momento, só que encostei a cabeça do bebê no meu peito, e ele simplesmente parou de se mexer, como se estivesse acalmado naquele instante. Aproveitei a calmaria do filhote e fui puxando ele pra beirada do rio ou mar que surgiu do nada.
E... fim!
E.... só isso mesmo... como recordação....
Pelo menos um sonho menos medonho, aterrorizante e gêneros...
Aliás... quis até postar isso porque faz muito tempo que não sonho com coisas, objetos, seres "bonitinhos".
Tudo bem que girafas não são tão bonitinhos quanto cachorros.... mas são mais bonitinhos que um casal de adolescentes cortando a boca das pessoas com um fio-dental do mal.
Na verdade... o diferente desse sonho foi um ser "bonitinho" ser o protagonista da história, porque já sonhei com vários animais, mas sempre como coadjuvantes ou que morriam durante o sonho.
No momento é só.

Pensando em: nada

terça-feira, 14 de abril de 2009

Por causa de uma multa

Recebi hoje a notificação de que receberei uma multa por andar em velocidade alta.
Eu não sei porque, mas depois de ver essa notificação, além de aflição por ter que pagar mais uma (não por excesso de velocidade, mas um mês atrás recebi por estacionar em lugar proibido, que não foi culpa minha, e nem tinha como eu comprovar a minha inocência), também senti uma chateação enorme de mim mesma, só não sei explicar como e porque.
Como se eu tivesse recebido a pior notícia de toda a minha vida... tô chateadíssima... fora que vou ter que ouvir horrores da minha mãe (tenho certeza que ela vai reclamar pra caramba).
E... o que estava meio que "empurrado pela barriga", virou logo um dramalhão mexicano de tristeza e decepção dentro da minha cabeça.
Sei lá... nada anda bem pra mim... por mais otimista que eu seja, não tem como.
O clima em casa, por mais civilizado que esteja, não está legal (pelo menos pra mim)... apesar de falar normal com a minha mãe e tal...
Eu também não estou muito bem de saúde, sem saber ao certo se estou com problemas físicos ou psicológicos, pois ultimamente (de três meses atrás) ando tendo enjôos sem motivos quase sempre quando estou fora de casa, fora uma vez que passei mal de querer desmaiar e tudo, como se eu estivesse com pressão baixa, e depois foi confirmado que não era isso. Ou eu tô com problemas de saúde física séria ou são coisas da minha cabeça de semi-débil-mental.
O fato é, estou evitando até de sair por conta dessa palhaçada.
Fui ao médico, e a velha japonesa filha da puta diz que é apenas por má alimentação, só porque falei que meu instestino é preso e que não como direito quando estou só. Pediu exame de sangue pra ver aquelas coisas de colesterol, diabete, hormônios, etc, mas a velha filha da puta com certeza acha que só é isso, e eu tô encucadíssima que não seja somente por isso, que tenha algo mais sério nisso.
Ou isso... ou eu tô com sérios problemas psicológicos... porque, pra me submeter inconscientemente a ter esses sintomas, é porque o negócio tá feio.
Enfim...
Problemas em casa... problemas de saúde... mais produção...
Tudo bem que só tô coçando o saco... e justamente por isso que resolvi topar de estar no grupo novamente pra fazer mais um curta-metragem, só que agora independente (como se o meu TCC tivesse tido algum apoio financeiro, ppppppppffffffffffffffffff). E novamente como diretora de produção, então... mais um estressezinho a mais na minha cabeça.
Talvez eu não tenha assimilado ainda todas as bombas que recebi por essas últimas semanas, com a visita do meu pai e agora da minha mãe, e as vezes, do nada, eu acabe ficando assim, totalmente desanimada, chateada, querendo chorar sem motivo nenhum.
Sei lá...
Só sei que hoje... exclusivamente hoje, estou chateadíssima... mas chateadíssima comigo mesma... e gostaria de que não continuasse, pois não posso ficar deprimida agora, faltando apenas duas semanas pra gravação... aliás, eu espero piamente que eu não invente de ter aqueles semi-piripaques de ficar enjoada, de passar mal, querer desmaiar bem nos dias das gravações, porque os horários das gravações e de trabalho serão bem invertidos e cansativos.
Alguém reze por mim... por favor...
Por mais que eu sempre invente de falar que quero morrer... no fundo eu não quero...
E as vezes tenho medo de não dar conta de me domar com todo esse turbilhão de coisas e ficar louca, mas louca de doença mental mesmo!
Sabendo disso tudo... por favor... não me procurem...
SET sumida: ON!

Pensando em: Flowing Tears - Swallow

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Vai me deixar...

E...
Já me deixou...
...
Eu que deixei...
...
Por quê?