domingo, 9 de agosto de 2009

Anotações anteriores, posteriores, cotidiano.... tudo passado...

SONHO

Tive um outro sonho bem chatinho, só não vou lembrar quando. Só lembro de que eu tava andando rápido, as vezes correndo, pra fugir da minha mãe e uns tios meus que estavam com ela. Eu sei que estava super chateada e irritada com ela por alguma coisa que fez, mas que até agora não sei o que foi. E eu querendo chorar, mas não conseguia porque tinha que me preocupar em me afastar logo e o mais longe possível dela. Entrava em lojas, corria na beira da praia, andava no meio da rua movimentada, cheguei até em pegar um ônibus pra qualquer lugar, um lugar que nem sabia pra onde ia, só pra perdê-la de vista.


TÓPICOS ANTERIORES

Sem vontade de fazer nada
Votei com essa história... de não ter mais saco pra fazer nada, de ir pra qualquer lugar... só querendo ficar em casa... comendo e dormindo. E mofando e morrendo aos poucos.

Ficando fechada
Sinto que volto a me fechar novamente... acho que minha relação com todos está um tanto quanto "complicado". Quase não falo com quem eu costumava falar, acho que a única pessoa com quem falo quase que diariamente também não anda bem das pernas, praticamente DR todo o santo dia. Os únicos que não tem como não falar é o povo do trabalho, mas aí, de menos.

Conspiração constante
Ultimamente tô tendo umas pirações terríveis de que todos conspiram contra mim: o povo do trabalho, o povo lá da faculdade com quem fazemos projetos juntos ainda, com quem discuto DR (sendo que, a mesma sempre me faz lembrar que não temos relação nenhuma), etc. Eu tô ficando irritada e cansada com isso, mas tô numa superproteção de minha pessoa tão grande que tá ficando difícil não pensar sempre em merda, besteiras ou coisas negativas em qualquer coisa que as pessoas falem. Tá foda! E um dia eu vou acabar me matando por isso.

Loucura
Consequentemente, isso recai pra loucura... acho que estou querendo entrar num ponto que estou confundindo realidade com imaginação. O que realmente existe e o que são apenas suposições. E obviamente, aquele clichê básico que todos imaginam, mas que é inevitável não falar ou pensar sobre: eu não quero ficar louca! Eu simplesmente não sei mais o que fazer.


TÓPICOS POSTERIORES

Desejos errantes
Eu já estou quase concluindo que sou uma pessoa muito escrota e burra, e que nunca mais vou aprender a ficar independente emocionalmente, e até pra fazer determinadas coisas. Daí me veio a pergunta: por que eu não posso obter a minha felicidade procurando alguém que queira cuidar de mim e que eu fique quase que completamente dependente dessa pessoa? Tanta gente que possuem manias ou problemas mais bizarros que meu e que são, a vista da "sociedade", atitudes tão erradas e feias, mas a pessoa faz do seu jeito e vive muito feliz com isso, mesmo sendo "marginalizado" por isso. Por que não posso ter essa pessoa, que também não se incomode com isso e pronto?


DIA-A-DIA DESTE SER INSIGNIFICANTE

É apenas para documentar o caso, antes que me perguntem, mas... achei que nesse dia eu iria pra cima e não ia voltar mais.
Foi na quinta-feira. Fui de carro pro serviço porque depois iria pra minha última sessão de psicóloga (eu que resolvi não querer ir mais, sem saco mais pra ir, óbvio que dando uma mentira feia sem nexo). Só que, logo que botei o pé pra fora, eu comecei a ter uma puta dor de cabeça do nada. Daí fui numa drogaria que tinha perto e comprei remédio, tomei... mas, depois de ter subido duas quadras depois da drogaria, vi que não ia dar certo... entrei na primeira rua que pudesse virar pra minha direita, estacionei num buraquinho de vaga que tinha na rua, fui pro banco de trás e me deitei. A dor de cabeça estava tão forte, mas tão forte, que estava me dando ânsia e tudo. Achei que ia vomitar o carro todo, e que ia ficar desmaiada, toda largada, no banco de trás. E durante o tempo que fiquei deitada, eu liguei pra psicóloga cancelando a sessão. Tenho certeza que ela deve ter achado que era mais uma desculpinha pra não ir lá ou qualquer merda assim, mas foda-se, eu passei mal, e como!
Depois de uma hora e meia, melhorei da ânsia, mas ainda sentia umas pontadinhas de leve na cabeça, mas deu pra ir embora pra casa. E quando cheguei em casa, tudo passou! Achei que não ia conseguir jantar, mas comi numa boa.
Agora, eu não sei se essa dor de cabeça repentina deu por eu estar menstruada ou foi outra coisa incógnita. Enfim... ainda bem que não desmaiei com o carro ligado em plena subida e sem estar puxado o freio de mão, rs.
Que mais?
Eu realmente tô sem saco pra escrever e não sei porque eu vim postar. Acho que não é pra acumular tópicos e, assuntos anteriores nunca prestam pra ser contados depois, como deu-se pra perceber os comentários dos tópicos anteriores. Não teve produtividade nenhuma.
Única coisa que eu gostaria de comentar é: por que pessoas que ingerem bebidas alcóolicas em quantidades exageradamente grandes me irritam, me preocupam, e principalmente, me fazem descrer de um monte de coisas?
Na verdade... eu não deveria me incomodar, logo porque essa bebida não será repassada de tabela pra mim e não vou ter nenhuma daquelas consequências terríveis de quem bebe: querer ir no banheiro a cada cinco minutos, não conseguir prestar atenção nas coisas que realmente são importantes (dependendo da pessoa, óbvio), ressaca, etc.
Mas, no caso de uma pessoa em especial... eu não sei por que diabos me irrito tanto em vê-la "alegre demais" por causa da bebida.

Alguém fala: "Talvez porque você não dê conta do seu próprio taco."

..........

Pensando em: nada

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Sonhos atrasados e fofocas internas atrasadas

A dois posts atrás comentei levemente sobre dois sonhos que vou tentar me lembrar deles com detalhes, pois já faz tanto tempo, mas tanto tempo....

1) ASSALTO E CELULAR
Do pouquíssimo que lembro agora, eu estava num viaduto dirigindo um carro e perto de desembocar numa rua, o trânsito tava parado porque tinha uma muvuca do inferno na frente. Daí, decidi descer do carro e ver o que estava acontecendo. Era uma manifestação de não sei o quê, e o povo todo revoltado, com tochas na mão e tal. Depois disso, não lembro mais a transição, mas sei que acabei parando numa rua super deserta, de madrugada e com o Ronaldo. Daí, acabamos entrando numa casa com a maior facilidade do mundo que, a princípio, era desconhecida e o povo que estava dentro da casa também, mas com o tempo, eles foram se tornando meio familiares na minha memória (no sonho), mas sem saber bem quem eram até o final do sonho. No meio dessa história, resolveram assaltar a casa. Eu lembrava bem como foi durante o assalto, mas agora eu já não lembro mais, só sei que queriam me roubar e a base de muita lábia minha, não conseguiram. E não lembro mais como foi o final.

2) PUTZ... ESQUECI! QUE MERDA!
Se eu nem lembrava no dia, muito menos agora.

3) SONHO BIZARRO E MUITO MEDONHO COM A SHEYLA
Também já não lembro mais dos detalhes, só lembro de ter sonhado com a Sheyla dando em cima de mim e ficando nua na minha frente. E também não lembro se no sonho eu estava gostando da situação ou não, mas... pelo amor.... voltando pra realidade... que cenas horríveis!!!!!!! ARGH!!!!!!!

Extra) MARILYN MONROE
Sonhei que estava deitada numa cama, não sei até agora onde eu estava, só que estava num quarto. Daí, uma garota aparece do nada na cama e começa a se insinuar pra mim, com o pequeníssimo detalhe que a garota lembrava MUITO a Marilyn Monroe naquela cena clássica do vestido branco se levantando com o vento de baixo pra cima. E as insinuações eram apenas palavras, e no máximo, ficar se aproximando de mim. O jogo de olhares e toda a enrolação "gostosa" do pré-beijo que foi o clímax do sonho, e óbvio, o beijo em si. Só não detalho mais como foi o clímax porque eu não sei transmitir por palavras, única coisa que posso dizer que, no sonho, meu coração estava disparando, querendo pular pela minha boca e o desejo por essa garota aumentar mais a cada segundo que passava e sabendo que ambas queriam umas as outras era muito bom.... tão bom ao ponto de até querer gozar (literalmente) sem ter encostado um dedo nela.

Resumo dos sonhos: nada tenho a comentar sobre os três primeiros porque eu já não lembro mais dos detalhes e minhas linhas de pensamentos a respeito deles foram pro saco (meio óbvio). Quanto ao extra, única coisa que posso falar é que, já fazia MUITO tempo que não sonhava desse jeito e não sentia dessa forma em sonhos. Foi bom repassar esse sentimento novamente enquanto dormia, mas ao mesmo tempo deprimente, porque gostaria de sentir isso novamente no pessoalmente, e no momento, nem tem como.

MUDANDO DE ASSUNTO...

Desde que comecei a trabalhar, eu ando tão de mal (ou mau, sei lá... foda-se) humor, tão sem saco pra sair ou fazer qualquer coisa, com tanta preguiça pra fazer qualquer coisa, tão anti-social que sinto que estou prejudicando os outros e principalmente a mim mesma.
Ultimamente tô sentindo que estou me transformando numa pessoa muito má, que minha personalidade está ficando muito má, muito ríspida, muito egocentrista. Simplesmente estou ODIANDO ver isso, passar por isso, sentir por isso, mas ao mesmo tempo algo me congela para que essa transformação não seja interferida, o que talvez esteja me irritando mais ainda. Pior que irritação é essa angústia, tristeza, depressão toda que voltei a sentir.
Aconteceram várias coisinhas durante esses dois meses atrás... algumas bem babaquinhas (por sinal), e outras marcantes.
Uma delas foi de um fim de semana que fiquei tão irritada, mas tão irritada... que nunca me vi daquele jeito como fiquei naqueles dias. E foi por motivos meio bestas até.
Eu enfiei na minha cabeça que os coletores que trabalham de tarde, em sua grande maioria, não foram com a minha cara e que estão fazendo complô contra a minha pessoa, o que me preocupa na permanência na empresa, e alguns dias antes, fiquei meio irritada porque a garota que senta ao meu lado pegou a cadeira onde eu sempre costumava sentar e me dava a dela que estava toda esculhambada. Toda vez que sentava na cadeira dela, me dava uma puta dor nas costas e, obviamente não sentando direito e coletando seis horas direto num pc, depois dava dor nos ombros, nos braços, etc. Nesse dia especificamente que só está fixado na minha cabeça e não sei que dia da semana foi, ela teve a audácia de me perguntar se poderia pegar a "cadeira dela" porque a outra dava-lhe dor nas costas. Respondi dizendo que pra mim também dava as dores e que só não pedia a cadeira de volta dela porque ela já estava sentada na própria. Depois de uns cinco minutos, comecei a ficar com peso na consciência porque um dia perguntei pra única coletora com quem converso direto se cadeiras tem donos nessa empresa, e ela me respondeu que tem. Daí fiquei pensando: bem, se ela já estava na empresa antes de eu aparecer lá, então acho que a cadeira ela dela mesmo e eu não tenho esse "direito" de tomar a cadeira dela de volta.
Fui no banheiro tomar fôlego e voltei pra sala pedindo pra ela trocar a cadeira, dando a boa pra ela e eu ficando com a escrota, mesmo morrendo de raiva de fazer isso. E uns três ou quatro dias seguintes, só tava pegando a cadeira escrota porque não estava almoçando no serviço, então não dava tempo de pegar a cadeira boa antes da outra pegar, e fui ficando mais dolorida e mais mau humorada, até que no fim de semana, puta merda! Xingava tudo e todos, com as poucas pessoas que falei naquele fim de semana, tratei todos mal, fui estúpida, fui grossa, batia as portas, janelas, o que fosse aqui em casa... só não destrui a casa porque só me levantava da cama pra comer ou ir ao banheiro.
Depois o mau humor passou, as dores nas costas também, só as dores no ombro que ainda não, não sei porque. E a cadeira boa, por enquanto, está comigo porque estou indo almoçar todo dia lá na empresa. Tô deixando de fazer qualquer coisa pra não me atrasar no almoço e ser a primeira a chegar na sala e pegar a porra da cadeira.
Meu... eu simplesmente fiquei insana... nunca fiquei tão enfurecida quanto aqueles dias... e é dessas coisas que eu tenho medo de mim mesma... de ficar assim, e numa hora perder a consciência e começar a fazer besteiras mais graves. Foi assustador!
Outra coisa que me aconteceu foi, de certa forma culpa minha... eu precisava mandar umas cópias dos nossos filmes meio que urgente pra alguns festivais, e só faltava um dos filmes que eu não tinha cópia, o dvd master, porra nenhuma, e pedi pro Ronaldo me emprestar o dele, só que eu não conseguia pegar no meio da semana porque ele tá trabalhando em dois lugares, então ele só parava na casa dele pra dormir. Até que, surgiu um feriado em plena quinta-feira e combinamos de que ele passaria aqui em casa pra entregar o dvd. Eu tinha entendido que ele passaria em casa só depois de ter feito algum programa com a namorada dele, e na real era o contrário, e no feriado eu resolvi fazer extra de oito horas. Além de não ter conseguido dormir cedo e bem devido a essa crise de mau humor escotro e outro motivo que não lembro mais, eu tive que acordar MUITO cedo, do tipo 4:30am pra estar no serviço às 6:00am. Cheguei em casa às 3:00pm e fiquei acordada esperando por ele até umas 7:00pm, sendo que uma hora atrás ele tinha me ligado falando que tava saindo da casa dele. Eu tava muito podre e não consegui aguentar mais, acabei dormindo na sala esperando ele ligar de novo dizendo que já estava aqui em casa, e não consegui acordar com as ligações dele, que não foram poucas. No dia seguinte e durante mais cinco dias, fiquei ligando no celular dele e nada de atender, com o propósito de pedir desculpas pelo ocorrido e tentar marcar outro dia pra pegar o dvd. Estava ficando até preocupada, achando que ele estava doente ou num hospital, e resolvi pedir as desculpas via e-mail, até que recebi a resposta dele.
Meu... ele simplesmente ficou muito puto e falou um monte pra mim... não de baixo calão, mas ficou falando que não tenho nenhuma consideração por ele, que eu estava sendo desrespeitosa, que ele perdeu o programa com a mina dele por minha causa, que agora já sabe que não pode contar comigo, que eu inventei a história de ter dormido, etc.
Na hora, eu fiquei muito chateada, no sentido de ter perdido mais um amigo, porque eu era muito chegada nele. Ele falou de um jeito que, parecia que queria até se distanciar de mim, por causa da puta sacanagem que fiz com ele. Mas, diante de tanta tristeza e chateação, tinha uma pontinha de raiva porque ele insinuou que eu MENTI ou INVENTEI alguma desculpa por não ter atendido ele e essas coisas. E essa pontinha de raiva que me fez responder pra ele com a maior secura do mundo que, eu dei mancada em ter dormido, mas que eu não inventei história nenhuma. Depois disso eu já estava sem cara de me encontrar com ele novamente, então deixei pra lá a história do dvd (e também já tinha arranjando a cópia).
Com o tempo que foi passando, fui ficando menos chateada e com mais raiva... agora, eu sinto indiferença com ele... o problema é que isso tá querendo me prejudicar legal a minha interação com o grupo, por defeito e idiotice minha mesmo.
Na última reunião que fizemos (foi nesse sábado passado), eu tava falando normal com as pessoas que ia aparecendo pra reunião, mas só bastou o Ronaldo chegar que já fechei a cara com todos. Continuei conversando ou respondendo quando solicitada, inclusive com o Ronaldo, mas eu não olhava pra cara dele de jeito nenhum, nem pra mina dele. Não cumprimentei ninguém na hora que cheguei e sai, só dei aquela balançadinha nas mãos sem encostar em ninguém, sabe? Fora que eu me senti super incomodada estando no mesmo ambiente que ele, então, eu já sei que isso ainda vai dar merda.
E, relembro esse "livro" que escrevi, percebi que entrei em contradição, dizendo que estou sentindo indiferença pelo Ronaldo, sendo que fiquei incomodada com a presença dele. Ou seja, ainda estou com muita raiva! (eu acho)
E como eu já tô ficando de saco cheio de escrever, vou deixar tópicos pro próximo post (se eu não esquecer a linha de pensamento).

- Sem vontade de fazer nada
- Ficando fechada
- Conspiração constante
- Loucura

Enfim... só!

Pensando em: No Doubt - Don't Speak