quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Que chato...

Tem coisa mais chata que já no primeiro dia, você não ter absolutamente nada pra fazer?
Cheguei no hostel, já tinha gente no quarto que eu tinha reservado... tive que dormir no coletivo...
Pedi com ar-condicionado... mas as duas mulheres que estavam no quarto, morrendo de frio, resolveram desligar o ar refrigerado e ficar só o ventinho pra trocar do ar... não dormi quase nada porque desacostumei completamente com o clima daqui (inferno!). E por conta disso, fiz o milagre de tomar café da manhã às sete da manhã (no horário daqui, oooowwww!!!!).
Fui perguntar pro recepcionista sobre o meu quarto... deixei minhas coisas no quarto certo...
Fui revisitar o colégio onde eu estudei... quase não me deixaram entrar porque eu estava de bermuda um pouquinho acima do joelho (não estava tão curto assim)...
O colégio cresceu... tem um monte de coisas que não tinha na minha época... e os professores e funcionários que eu conhecia a maioria sairam ou se aposentaram... ou seja, não foi tão benéfico ter ido lá... fora que as pirralhadas ficavam olhando pra mim como se eu fosse um ET... mas, enfim... pelo menos matei um pouco as saudades dos tempos que eu odiava ter que estudar, mas gostava daquela escola, rs.
Fui rodar um pouquinho no centro, na parte dos comércios... parece que mudou tudo... ou eu que desacostumei a ver inúmeras e enormes placas com os nomes das lojas (desacostume devido a lei da cidade limpa em São Paulo)... era muita informação e cor pros meus olhos que já não estão tão bem (nem sei como estou conseguindo mantê-los abertos ainda).
Aliás... nem sei como eu estou de pé!
Passei no prédio onde eu morava pra ver se conseguia falar com a minha ex-vizinha e a mãe da minha amiga que foi me pegar no aeroporto... não consegui falar com ninguém e o porteiro nem me deixou entrar, mesmo falando que já tinha morado lá e queria ver o povo e tal... minha conversa não foi aceita (pelo menos do colégio eles deixaram só de falar que estudei lá e queria ver como o colégio estava).
Agora, pra passar um pouquinho do tempo, tô aqui na net, mas essa porra só tinha no mínimo uma hora.... vou ficar fazendo o quê durante uma hora? Eu só queria ver meus e-mails e só!
Tá me dando fome, mas tô com medo de comer na rua e ter só comida forte, e eu tenho certeza que, se eu comer essas comidas fortes, vou passar mal... ainda mais com esse calor do caralho (eu tô morrendo de calor, mas pro povo daqui, tá meio feio o tempo).
Ainda tenho vinte e seis minutos e não sei mais o que escrever!
Até inventaria uma filosofagem besta... mas meu sono não tá me deixando... e daqui a pouco a minha fome vai me matar!
No more comments!

Pensando em: musiquinha de atari na cabeça, rs

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Antes de morrer no avião...

Não sei se é empolgação ou é sério... talvez porque eu nunca tenha conhecido alguém assim... e fiquei super curiosa em conhecê-la melhor... sem nenhum intuito maldoso...
Vou viajar com essa sensação de que, talvez... quem sabe... esteja aparecendo uma pequeníssima fresta de luz no túnel...
Estou delirando um pouco também... além do sono rotineiro e de não ter dormido muito, estou toda dolorida por ter jogado Just Dance 2... pelo menos a sensação que tive do dia seguinte ao jogar o bagulho foi que me alonguei um pouquinho (o retrovisor interno do carro estava muito pra baixo, sinal que minhas costas ficaram mais retas, rs).
Daqui a pouco eles voltam a ficar corcundos... carregando uma mochila de, talvez... uns doze quilos aproximadamente... mais a mochila que vou levar de bagagem de mão.
E sinceramente... não estou muito ansiosa pra viajar não... acho que não vou fazer nada lá e até acho que vou ficar com preguiça de procurar meu pai por lá.
Assim como acho que estou querendo ir para o "lado mal" da vida novamente.

*Senhor, me dê forças, por favor... porque não estou nem um pouco a fim de me enclausurar novamente.

sábado, 23 de outubro de 2010

Nossa!!! Que irritante!!!

Me perdoem quem frequenta a Sara Nossa Terra... mas esses grupos de jovens desocupados, sem nexos e sem terem o que fazer a não ser coçarem seus próprios sacos (e quem sabe dos outros integrantes também), ficam gritando (imagino que tentam cantar, mas acabam transformando nisso em quase uma manifestação estudantil pra quem só ouvi esses gritos) que nem loucos!!!!!!! Tomar no cú viu????
Querem ser felizes? Vão ser felizes dentro das suas igrejas!
E eu já tô agoniada por ter perdido... sei lá... cinco, seis horas da minha vida na frente do pc tentando ver um jeito legal e mais seguro de usar outros tipos de desbloqueio de Wii, e o próprio dono em si não está nem um pouco interessado em saber... só quer jogar truco (requer muita atenção, logo porque o jogo em que a pessoa se encontra envolve dinheiro). E mais um sábado perdido... e com fome!
E acho que a minha viagem pra Manaus vai ser um saco e um desastre! Devia te pegado menos dias pra ficar... só queria visitar quatro pessoas... chutando que vou gastar um dia pra cada pessoa (isso sendo exagerada, porque você não vai ficar o dia inteirinho na casa da pessoa, eu acho)... ainda me sobra dois dias pra fazer nada... e como lá não tem nada pra fazer também... então... me fudi!
Eu também tenho um leve problema de, pouquíssimos dias antes de viajar, fico com o cú na mão e querendo desistir.
Mas, convenhamos... tudo que eu faço só se torna um saco! Seja andar em qualquer lugar, viajar sozinha, etc.
Eu tô tão entediada agora que sinceramente... acho que vou me deitar e tentar dormir (mesmo não estando com nenhum pouco de sono).
E, como uma conhecida minha citou:

"É preciso muito amor pra te odiar assim."

Eu sempre acho que as coisas ruins que as pessoas escrevem foram digitadas para minha pessoa... mesmo que não seja, vou fazer de conta que foi pra mim... quem sabe assim minha auto-estima e ego abaixem um pouco (mais do que já está).

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Tomando minhas dores...

Um dia ouvi uma música na Nova Brasil FM, e jurei que era Ana Carolina... e tive uma surpresa: era da Eliana Printes.
Nada contra a Ana Carolina, mas eu não a acho lá essas coisas, mas como a voz que ouvi parecia ter um tom mais grave, achei que fosse, mas um grave mais limpo e bonito. Também não sou fanzona de Eliana Printes, não conheço nenhuma música dela exceto essa que ouvi na rádio. Também não sei como ela é pessoalmente, mas sei que ela batalha nesse mundo da música desde mil novecentos e noventa bolinhas, e em 2010, ouço uma música dela em uma rádio de São Paulo, inclusive, acho que ela se mudou pro Rio de Janeiro justamente pra ver se tinha mais futuro fora de Manaus. Se caso for isso, realmente... Manaus é um cú do mundo... simplesmente não tem futuro morando lá, apesar de ter vivido toda a minha infância e ter longas lembranças (boas e ruins) de lá, e não posso negar que fui criada lá, tenho um pouco de sangue manauara.
A letra da música (Os Presentes) é uma porcaria... ou eu que sou muito burra e não consigo entender as entrelinhas da música... mas a melodia é de chorar (de verdade). Bem simplista mas é de tocar o coração.
E ouvindo essa música, associei a uma frase que coloquei não sei onde:

"Minha vida anda meio amarga..."

Carece de coisas boas... de sentimentos bons... acho que ando tão amarga, mas tão amarga, apática e sem vida que temo em não conseguir voltar a ter cor, vida, alegria.
Estava vendo jornal na tv, e um filósofo comentando sobre o estado psicológico daqueles mineiros que ficaram meses debaixo da terra falou uma coisinha bem interessante, mais ou menos isso:

"...eles tiveram esperança, mas não a esperança no verbo esperar, pois muitas pessoas associam internamente que esperança é pensar em que algo aconteça milagrosamente, o que normalmente resulta em frustação, pois nada consegue apenas esperando que a força divina venha e te dê na mão a solução do problema, mas sim a esperança no verbo %*&!@ (é que eu realmente esqueci qual verbo ele mencionou), aquele que tem esperança e faz com que aquilo aconteça, ou busca soluções para resolver ou contornar o problema..."

Uma boa colocação... que me fez decepcionar a mim mesmo... pois sou mais uma daquelas que usa a palavra esperança no verbo esperar. Mesmo sabendo que nada cai do céu, que nada vem de graça, que nada aparecerá na sua frente sem motivo nenhum, eu continuo esperando... esperando que alguém venha falar comigo, esperando que as coisas aconteçam na minha frente, esperando que a minha vida melhore de uma hora pra outra... na verdade, eu vejo isso mais em esperar que o "amor da minha vida" cruze em minha vida sem eu fazer esforço nenhum. Aliás, ando fazendo esforço nenhum pra porra nenhuma, e depois ainda fico querendo reclamar do mundo, de tudo e de todos. Por isso que as vezes eu acho que sou muito mal-criada, mal-agradecida, etc.
E é por isso que ando ouvindo muito essa música da Eliana Printes... a melodia me faz pensar que sou um lixo e que reclamo de muitas coisas a toa e ingratas, e é a significação do meu desapontamento quanto a minha pessoa em si.
As vezes sinto vontade de chorar pra primeira pessoa que me apareça na frente, só pra ter onde derramar lágrimas, sem nem precisar falar sobre e o por quê.
As vezes sinto muita vontade de beijar alguém... talvez sejam saudades de sentir o gosto do amor em forma de beijo.
As vezes sinto vontade de publicar esse blog para tudo e todos... deixar em amostra no orkut, facebook, leskut... mas meu receio de que mais pessoas iriam me odiar, achar irritante e desagrável é maior, assim como o medo de dar, basicamente, tudo que eu sei e tenho por mim sentimentalmente, emocionalmente e essas coisas, dando na mão de qualquer pessoa, podendo fazer o bem ou o mal com isso, para minha pessoa, simplesmente me apavora. Assim como eu sei também que assim, me escondo mais ainda, e menos pessoas me procurarão. E eu na maldita esperança do verbo esperar.
E me pergunto todos os dias: por que não desisto da vida logo?

Ouvindo: Eliana Printes - Os Presentes