sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Acúmulo de sentimentos

Na verdade, voltei apenas pra externar um pouco um grande problema que tenho, pois estou num nível de stress que sinceramente, recomeçaria a fazer pequenas-grandes merdas que fazia antigamente comigo mesma, então prefiro esvaziar um pouco escrevendo (não sei se a essa altura do campeonato, e fazendo MUITO tempo que não escrevo mais nada, ajudaria de fato a diminuir um pouco essa angústia).
Eu sempre soube que eu tenho problemas pra arranjar trabalho / pra trabalhar / ficar no local de trabalho por um bom tempo, mas foi durante essas últimas semanas que realmente me toquei que devo ter um problema mais sério com isso.
Desde de janeiro, estou procurando emprego e intensificando esta procura. Já andei por aqui perto de casa pra ver se tem lojas ou algo assim precisando de funcionário, fiz cadastro em sites de empregos e olho constantemente, estou inclusive pagando Catho e olhando com frequência pra ver se acho algum serviço pra me candidatar.
Eis que, um dia, uma creche canina me ligou perguntando se eu estava interessada no emprego (sendo que, na verdade, eu tinha me candidatado mas não tava botando muita fé que eu seria chamada). Fiz a entrevista e a pessoa foi bem legal comigo, explicou tudo direitinho, desde as partes legais ao não-legais do serviço e me propôs fazer 1 semana de experiência pra ver se eu aguento o serviço e se eu ia gostar (assim como eles iam ver se ia gostar do que eu faço). Só que eu já tinha entrado em pânico logo antes da entrevista e bolei uma desculpa antecipadamente pra justificar o tempo que preciso pra pensar a respeito, mas defini que dia e horário iria dar a resposta.
Depois da entrevista, eu fiquei tão mal, mas tão mal, e tão em pânico com algo que até agora não sei explicar direito o que é, que eu fiquei os dias de "pensar na resposta" bem mal... chorei horrores... me senti idiota, estúpida e odiando a mim mesma por não entender do por quê ficar desta forma apenas com uma entrevista de emprego.
Quando chegou o dia de dar a resposta, falei que gostaria de fazer a semana da experiência... mas aí já era, já tinham entrevistado uma outra pessoa que já tava fazendo essa semana da experiência, e que pra semana que vem iria me ligar falando se já foi preenchido a vaga ou não.
Na semana seguinte, o óbvio aconteceu... e depois disso, fiquei mais mal ainda... e pensando seriamente se eu tenho algum bloqueio sério com isso.
Eu sou tão idiota, mas tão idiota... porque o emprego parecia ser muito bom: não ia precisar acordar cedo, era perto de casa, ia ficar perto de cachorros, não ia ganhar tão mal assim, e só ia trabalhar do sábado a cada 15 dias... e os únicos porém é que talvez teria que trabalhar e dormir no trabalho um fim de semana por mês, e seria trabalho braçal, mas fora isso, tudo estava a meu favor... MAS NÃO!!! A cagona, idiota, mimada e retardada aqui ficou enrolando e perdeu a vez... ÓBVIO!
As vezes queria voltar a fazer terapia de novo, mas acho que agora não rola mais fazer a custa da minha mãe... e não sei bem o por quê, mas não tenho mais cara pra voltar com a mesma psicóloga, sendo que eu encerrei a sessão como gente normal, e não abruptamente como foi na penúltima vez. Mas, acho que mesmo assim, só conversando com ela, não vou conseguir descobrir nada ou da terapia ir pra frente, ficaria da mesma forma que terminou: com uma sensação que só estava fazendo voltas e voltas e parando no mesmo lugar de sempre, no vazio e no "nada".
Na verdade, de uns tempos pra cá, eu queria muito fazer hipnose, regressão e essas coisas, pra ver se eu conseguiria descobrir, pelo menos um pouquinho, do por quê que sou assim, com tanto pavor pra trabalhar. De repente, em algum lugar da minha memória e do meu passado, tenha algum indício ou a ponta do início de ter esse problema. E isso anda me incomodando bastante, bastante, bastante, até demais!
Ando também bastante angustiada porque minha mãe anda cobrando insistentemente e com mais bravura para que eu arranje um emprego logo ou fazer concurso. E com toda razão!
Vira e mexe volto a pensar na história de tentar trabalhar e viver no Japão, mas ir sozinha seria um suicídio lento pra mim, e essas coisas materiais que tanto me apego (coisa de quase todo o taurino, imagino) me desestimulam mais ainda a fazer isso.
Não tenho a mínima vontade de estudar nada e quero empregos mais fáceis, mas que dê pelo menos uma grana pra pagar minhas contas e comida. Eu sei, estou pedindo demais. Como tudo na vida, eu sempre peço demais. =(
Sinto inveja de todos, porque não conheço ninguém vagabundo (só eu).
E é isso... sessão descarrego encerrado!

Pensando em: Destiny's Child - Nasty Girl (porque fiquei ouvindo o CD delas e fiquei com essa música na cabeça desde então, que não tem nenhuma relação direta com o assunto do post, a princípio)